Economia

Queda no preço do petróleo deve reduzir competitividade do etanol no Brasil

Ouça a matéria

A guerra de preços do petróleo entre grandes países produtores deve reduzir a competitividade do etanol no Brasil. A avaliação de especialistas e do mercado é a de que, dependendo da duração da disputa, poderá haver problemas para as usinas já nas primeiras semanas da próxima safra de cana-de-açúcar no país.

A safra 2019/20, que oficialmente termina neste mês, foi prioritariamente alcooleira, com 65% da cana sendo usada para produzir etanol. A queda de braço entre a Arábia Saudita, membro da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), e a Rússia, que se recusou a cortar a produção para fazer frente à queda do preço da matéria-prima, está sendo chamada de guerra do preço do petróleo, provocando impactos em todo o mundo.

Os desdobramentos da crise ditarão o ritmo da produção das usinas no país. Se o preço da gasolina cair muito, usinas podem deixar de produzir o etanol hidratado (utilizado diretamente nas bombas dos postos) para priorizar o anidro (que é misturado à gasolina antes da venda). Ou, ainda, até mesmo elevar a produção de açúcar.

Antonio de Padua Rodrigues, diretor-técnico da Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar), disse que, se de um lado o preço do petróleo cai, de outro a alta do dólar influencia também na definição do preço dos combustíveis nas bombas.
“Precisamos saber se isso [queda do petróleo] se perpetua ou não. Há questões como qual a razão efetiva desse preço, se é uma questão política, e tem a demanda do consumo de óleo também. [Outro ponto é] Como os produtores de petróleo vão aguentar muito tempo com preço nesse patamar. Qualquer cenário de curto prazo é em cima de premissas que não necessariamente devem acontecer”, disse.

Atenuantes Embora a perspectiva seja negativa, o mercado aponta a desvalorização do real como um fator para amenizar os impactos da queda do preço do petróleo.
“Se o dólar estivesse a R$ 4, o impacto seria muito maior para a cana, inclusive para o cenário de curto prazo, de um mês”, disse Neves.
Já o açúcar, para ele, não deve ter impacto tão forte pois a maior parte da produção das usinas para esta safra já está comercializada com preços definidos.

Há, ainda, outro ponto a ser considerado, na avaliação do especialista: o setor utiliza muito diesel, que também terá preços mais favoráveis caso haja redução do valor da gasolina nos postos.
 

Rodrigues aponta ainda a flexibilidade de produção de etanol nas usinas. Se a de hidratado cair, as usinas podem elevar a fabricação do anidro.
“Há dois grandes mercados para o etanol, ou como aditivo ou como concorrente [da gasolina]. Na última safra, de 590 milhões de toneladas, 35% foi para o açúcar e 65% para o etanol. Nós vamos fazer anidro, hidratado, açúcar e contar com o funcionamento do Renovabio, que pode ajudar nesse momento.”

Redação Litorânea FM

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do autor. A Rádio Litorânea tem o compromisso de levar a informação através de noticias da nossa região com agilidade e fidelidade aos fatos.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo